terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Feridas de um amigo


“Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos” (Provérbios 27:6). Elogios não identificam necessariamente os amigos, nem a crítica sempre vem dos inimigos. Lembre-se de Judas que beijou o Senhor – e o traiu. Alguns dos elogios mais elaborados e melosos que já recebi vieram dos meus inimigos – muitas vezes associados a uma dor cortante nas costas, onde entrou a faca! Alguns dos comentários mais desagradáveis, doloridos e de murchar o meu ego sobre mim e meu trabalho vieram dos meus melhores amigos. Um inimigo contará a todos que você tem mau-hálito; um amigo talvez te dê refrescante bucal para você experimentar. Oh, como a crítica dói! Como ela nos faz sentir! Mas quando a dor do orgulho ferido ceder, você perceberá que era um favor. Ignorar o problema jamais teria ajudado. Você não teria o seu amigo para agir de outra maneira – apesar de precisar de um tempo para agradecer pela “ferida” que ele causou. É difícil agradecer um dentista enquanto ele está furando o dente!
Interesse genuíno na alma causa preocupação em um amigo que observa o meu caminho se afastar de Deus. Uma dura bronca pessoal – “tu és o homem” (2 Samuel 12:1-7) – pode ser necessária para me colocar nos eixos. É melhor sofrer com uma ferida temporária que a perda eterna. Eu me tornarei, então, o seu inimigo porque te conto a verdade? (veja Gálatas 4:16).
Porém, um amigo não acha prazer em causar tais feridas. Eu fico ressentido com o médico que sorri enquanto mexe num lugar dolorido! Eu sei que ele tem que fazer isso, mas não gosto de pensar que ele gosta disso! É fácil demais tornar uma crítica profissional e perpétua de tudo e de todos–se deliciar por achar falhas. Certamente tal atitude não é uma virtude e evidentemente raramente traz proveito para alguém. Um inimigo mira a sua flecha para destruir e machucar; um amigo jamais faz isso. Os nossos pais nos corrigiram. As marcas velhas nos “traseiros” não objetivavam a nossa destruição mas foram feridas de amor para o nosso proveito.
E há o outro lado da moeda – ser um amigo. Nem sempre é fácil. A amizade é mais do que visitas sociais, compartilhar refeições e aproveitar o companheirismo um do outro. É se preocupar o suficiente para fazer o que for preciso – independentemente de quanto a tarefa for desagradável.
A dura carta de correção aos coríntios de Paulo foi escrita “no meio de muitos sofrimentos e angústias de coração ... com muitas lágrimas ... para que conhecêsseis o amor que vos consagro em grande medida” (2 Coríntios 2:4). Paulo se preocupou a respeito de escrever a carta e como ela seria recebida, mas ele se alegrou quando soube do seu arrependimento (2 Coríntios 7:6). A sua atitude e as suas ações provaram a sua amizade.
Por que será que muitas vezes nós evitamos as tentativas de restaurarmos os perdidos (Gálatas 6:1). Sabemos que devemos, sabemos que seria uma bondade. Não é fácil! Por que não raciocinamos com os nossos vizinhos que não são cristãos? Alegamos ser amigos mas ignoramos a sua necessidade maior – a salvação do pecado. Receiamos dizer, “Temo que você estará perdido”. Ficamos quietos e os deixamos ir, sem incômodos, ao inferno. Que tipo de amigo faria assim?

Nenhum comentário: